E-mail Imprimir

Imprensa | Ultimas Notícias

VOLTAR

Veja vídeo

31 de Julho | 11:33

Autor: Michel Ferreira Fonte: Ascom Foto: Reprodução/ TV Sorriso (Record)

Produtores de Nova Ubiratã investem na criação de ovelhas para aumentar rentabilidade

Tido como um negócio altamente lucrativo, a ovinocultura tem atraído à atenção de pequenos e grandes produtores rurais de Nova Ubiratã.

 

Pelo menos é o que afirma matéria produzida pela TV Sorriso, afiliada a Record TV, que contou a história dos produtores Daniel Faveretto e Wolmir Roman Ross, ambos pioneiros na criação de ovelhas, em Nova Ubiratã.

 

Dono de um rebanho de aproximadamente 800 animais, Faveretto revela que a comercialização foi motivada pela grande procura pela carne do animal.

 

“No começo nós tínhamos umas 30 ovelhas para consumo próprio. Em pouco tempo percebemos o aumento da procura. Baseado nisso passamos a adquirir e selecionar matrizes (...) é um mercado bom porque tem preços competitivos”, diz sem esconder a empolgação.

 

Segundo o produtor cada animal é vendido, para frigoríficos e abatedouros legalizados, entre R$ 300 a R$ 350. Isso porque parte da produção de milho da fazenda é destinada para fabricação da ração consumida pelos animais, reduzindo o custo operacional em até R$ 180 e aumentando a lucratividade.

 

A mesma estratégia vem sendo utilizada pelo agricultor familiar Wolmir Ross. Proprietário de um sítio localizado no Assentamento Cedro Rosa, a 12 quilômetros do centro da cidade, ele dedica 16, dos 36 hectares de terras, para a criação de aproximadamente 300 ovelhas.

 

“A ração tem que ser produzida na propriedade, não é viável compra-la pronta. Agente tem que produzir o milho, soja e comprar apenas sais minerais, mas isso é coisa mínima”, revela o agricultor que também recomenda a produção de ovinos.

 

“Para a agricultura familiar é uma opção bem vantajosa. Eu vejo assim, porque num espaço pequeno você consegue ter vários animais (....) nada contra quem cria gado, mas onde você tem uma vaca pode colocar até 20 ovelhas”, observa.

 

De acordo com dados do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea/MT), o município de Nova Ubiratã possuí um rebanho estimado de 5.400 ovinos.

 

Mesmo diante do cenário favorável, os criadores revelam que ainda tem encontrado dificuldades para comercializar a carna produzida no município. 

 

“Agente percebe que aos poucos têm surgido novos compradores o que demonstra que o mercado pela carne de cordeiro tem crescido”, finaliza Favaretto.