E-mail Imprimir

Imprensa | Ultimas Notícias

VOLTAR

SUSPENSÃO DAS AULAS

18 de Março | 13:16

Autor: Michel Ferreira Fonte: ASCOM Foto: Divulgação

Prefeito de Nova Ubiratã assina decreto com medidas de enfrentamento ao novo coronavírus

O prefeito Valdenir José dos Santos assinou o decreto de nº 021/2020 que prevê a adoção imediata de medidas de prevenção e enfrentamento do novo coronavírus (COVID-19), em Nova Ubiratã. (Confira o edital AQUI)

 

A decisão foi tomada, nesta manhã (18), após uma reunião entre gestores das pastas e os departamentos jurídicos e de comunicação social, atendendo recomendação do governo do Estado e do Ministério da Saúde.

 

No documento consta a criação, em caráter de urgência, do Comitê de Enfrentamento, Monitoramento e Adoção de Medidas de Emergência em Saúde Pública.

 

O órgão será composto por representantes da Administração Municipal e do Poder Legislativo, Procuradoria-Geral do Município, Associação de Pais e Alunos (APM), Conselho Municipal de Saúde, Associação Comercial e Empresarial, líderes religiosos, membro indicado pelo Ministério Público do Estado (MPE), sindicatos de produtores, trabalhadores rurais e municipais, bem como integrantes das polícias civil e militar.

 

O comitê deverá reunir-se semanalmente a fim de avaliar a proliferação da doença e, havendo necessidade, adotar as medidas cabíveis.

 

O decreto também prevê a suspensão das aulas, no período que compreendem os dias 23 de março a 05 de abril, as atividades desenvolvidas pela secretaria municipal de Esportes e Lazer, bem como as comemorações festivas, reuniões com grande aglomeração de pessoas e viagens de agentes públicos em exercício da função, salvo em casos excepcionais.

 

Consta ainda no decreto, o afastamento, por 15 dias, dos servidores públicos municipais com idade igual e/ou superior a 60 anos, lactantes e demais funcionários que se incluam no grupo de risco. Neste último caso em específico, é necessária a avalição e recomendação médica.

 

Quanto a sociedade e a iniciativa privada; as recomendações seguem no sentido de evitar espaços confinados e com grande fluxo de pessoas, consumo compartilhado de chimarrão, tereré, narguilé e similares, além da suspensão temporária de eventos comemorativos e religiosos.

 

“É importante tranquilizar a sociedade e lembrar que essas medidas são preventivas (...) felizmente não temos nenhum caso suspeito em Nova Ubiratã e é exatamente assim que queremos continuar”, destacou Valdenir durante a reunião.

 

O que já sabemos sobre o novo coronavírus?

De acordo com o Ministério da Saúde, o coronavírus (CID10) é uma família de vírus que causa infecções respiratórias. O novo coronavírus (COVID-19) tem como principais sintomas conhecidos a febre, tosse e dificuldade para respirar.

 

O período de incubação é o tempo que leva para os primeiros sintomas aparecerem desde a infecção por coronavírus, que pode ser de 2 a 14 dias. De uma forma geral, a transmissão viral ocorre apenas enquanto persistirem os sintomas. É possível a transmissão viral após a resolução dos sintomas, mas a duração do período de transmissibilidade é desconhecido para o coronavírus. Durante o período de incubação e casos assintomáticos não são contagiosos.

 

As investigações sobre as formas de transmissão do coronavírus ainda estão em andamento, mas a disseminação de pessoa para pessoa, ou seja, a contaminação por gotículas respiratórias ou contato, está ocorrendo.

 

Qualquer pessoa que tenha contato próximo (cerca de 1m) com alguém com sintomas respiratórios está em risco de ser exposta à infecção. É importante observar que a disseminação de pessoa para pessoa pode ocorrer de forma continuada.

 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como: gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo (como toque ou aperto de mão), contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

 

Precauções

Para evitar o contágio, a Organização Mundial de Saúde recomenda usar álcool em gel ou lavar as mãos com frequência, providências imediatas. Cuidados ao tossir também são eficazes para evitar o contágio. Procure também evitar aglomerações e, se possível, passe mais tempo em casa, dentre outras recomendações.

 

Confira abaixo quais e porque alguns grupos de risco estão mais vulneráveis à doença e como se prevenir dela.

Asmáticos

A asma é uma doença que provoca deficiência respiratória e deixa os pulmões mais sensíveis, favorecendo o aumento da falta de ar e secreção nos pulmões. De acordo com médicos especialistas, o vírus aumenta os sintomas respiratórios, além de contribuir para o aumento de crises de asma.

Por causa disso, o paciente fica extremamente debilitado e com mais sintomas do quadro respiratório.

 

Diabéticos

O diabetes é um fator de risco para várias infecções. A doença mexe com o sistema de defesa do paciente e, por isso, ele fica mais suscetível a pegar coronavírus e desenvolver a covid-19.

 

Hipertensos

Pacientes com problemas no coração estão mais expostos ao vírus porque algumas substâncias que o órgão produz para combater a infecção podem deixar o coração mais fraco.

Especialistas explicam que o vírus usa o mesmo receptor que os remédios para hipertensão da classe inibidores da ECA (enzima conversora de angiotensinogenio) para invadir as células, facilitando uma infecção mais grave.

Vale lembrar que não existe nenhum tipo de orientação para substituição ou suspensão destes remédios e a relação ainda está sendo estudada por pesquisadores.

 

Fumantes

Os tabagistas já possuem a capacidade pulmonar prejudicada pela exposição a substâncias nocivas do cigarro, o que favorece o aumento de doenças pulmonares como enfisema pulmonar e bronquite crônica. Como o pulmão já está debilitado, as chances de desenvolver a covid-19 é bem maior do que uma pessoa que não fuma ou não possui doenças pulmonares.

 

Quais cuidados devemos tomar?

O principal é fazer um acompanhamento médico dessas doenças crônicas constantemente. No caso de hipertensos, o ideal é controlar a pressão arterial. Já os asmáticos, devem se atentar às crises respiratórias e verificar com que frequência elas surgem.

Os especialistas também recomendam estar com as vacinas em dia. Caso a pessoa não tenha tomado a vacina contra influenza/gripe, o ideal é procurar um posto ou rede privada para se vacinar. Em pacientes que sofrem com asma ou outros problemas respiratórios, é aconselhado tomar a vacina pneumocócica, que inibe o desenvolvimento da pneumonia.

 

Orientações

Além de evitar aglomerações, especialmente em lugares fechados, também são recomendados os seguintes cuidados:

*Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

*Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

*Evitar contato próximo com pessoas doentes. Ficar em casa quando estiver doente;

*Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

*Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.