E-mail Imprimir

Imprensa | Ultimas Notícias

VOLTAR

CRESCIMENTO DE 15%

11 de Agosto | 11:58

Autor: Michel Ferreira Fonte: Ascom Foto: Reprodução/internet

Imea prevê safra recorde e Nova Ubiratã desponta como 3º maior produtor de grãos do Estado

Conhecido nacionalmente por utilizar tecnologia de ponta o setor agrícola de Nova Ubiratã, situado a 488 km de Cuiabá, está prestes a assumir o título de 3º maior produtor de grãos do Estado.

 

Pelo menos é o que aponta pesquisa divulgada pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) que prevê um aumento de 15% da produção de soja e de 80,1% da produção de milho para a safra 2016/2017.

 

Conforme o levantamento, o município - que conta com uma área de 1,3 milhão de hectares - será responsável pela produção de 1.311.931 (um milhão trezentos e onze mil e novecentos e trinta e um) toneladas da oleaginosa o que corresponde 4,20% da produção de Mato Grosso ficando atrás apenas das cidades de Sorriso (1.962.899) e Nova Mutum (1.321.271).

 

Já a produção de milho de Nova Ubiratã sobe de 735.952 mil para 1,3 milhão de toneladas, ou seja, da 7ª para 3ª posição a nível estadual.

 

A pesquisa revela ainda que o município ocupa a 21ª posição no ranking de exportações de produtos agrícolas.

 

Apesar dos números positivos o setor não muito o que comemorar. Isso porque a deficiência de logística e a falta de local para armazenamento da produção ainda são desafios enfrentados anualmente.

 

“O produtor paga em média R$ 1,80, por saca, para cada três meses de armazenagem. Outra parte do lucro fica literalmente pelo caminho já que temos que desembolsar R$ 16 reais por saca para levar a produção até o porto de Paranaguá (PR)”, afirma o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Nova Ubiratã, Albino Castilho Ruiz.

 

Na avaliação de Ruiz, uma alternativa paliativa seria a utilização do sistema silo bag para o armazenamento do milho.

 

“O investimento do silo bag é de apenas R$0,60 centavos por saca, em contra partida o produtor precisa adquirir o maquinário para embalar e desembalar o produto e que custa algo em torno de R$ 170 mil reais”, finaliza.