E-mail Imprimir

Imprensa | Ultimas Notícias

VOLTAR

Por videoconferência

24 de Julho | 13:16

Autor: Michel Ferreira Fonte: Ascom Foto: Divulgação

Biocen sinaliza investimento de R$ 652 milhões para instalação de complexo industrial em Nova Ubiratã

Já está em andamento o processo de emissão de licenças ambientais que autorizam a construção da 1ª usina de etanol de milho em Nova Ubiratã.

 

A informação foi confirmada pelo presidente da Bionergia Celeiro do Norte S.A, Gilberto Peruzi, nesta quarta-feira (22), durante uma videoconferência em que participaram representantes da Administração Municipal e demais diretores executivos da empresa.

 

No início da reunião, o prefeito Valdenir José dos Santos ressaltou a importância do projeto que prevê um investimento inicial de R$ 652.200.000,00 (seiscentos e cinquenta e dois milhões e duzentos mil reais) bem como a geração de 250 empregos diretos e outros 1,8 mil postos de trabalho indiretos.

 

A previsão é que, somente com a geração de empregos diretos, serão injetados anualmente na economia local mais de R$ 20 milhões de reais.

 

“Somos o segundo maior produtor de grãos do Estado e nada nos impede de sermos um dos maiores produtores de etanol de milho também. Nossa Administração tem ciência da magnitude deste projeto e é exatamente por isso que não temos medidos esforços para que ele seja concretizado no menor espaço de tempo possível”, assinala o gestor.

 

Conforme projeto descritivo, o complexo industrial será composto por uma planta para moagem de milho para produção de etanol (hidratado e anidro), DDGS (alta proteína e alta fibra) WDG, óleo de milho e energia elétrica através da cogeração com utilização de biomassa, além de construir uma cadeia produtiva primária e secundária, buscando também a produção de proteína animal em especial o confinamento bovino e as granjas aviárias e suínas.

 

“Estamos diante de um projeto que será um divisor de águas na história de Nova Ubiratã, principalmente para a agricultura familiar que será um dos setores mais beneficiados com a implantação do complexo industrial”, conclui Valdenir.